FIBRA DE VIDRO



P- Quais os tipos de doenças que a fibra de vidro pode provocar na pele ?

R - A fibra de vidro vem sendo usada desde 1930 na fabricação de filtros de ar, isolantes térmicos, elétricos, acústicos e como reforço de matérias plásticos na produção de tanques, piscinas, barcos, veículos e matérias esportivos, entre outros. Durante o processo de acabamento dos produtos, os trabalhadores que realizam atividades de corte, lixamento e polimento ficam expostos às pequenas partículas do agente, que podem penetrar na epiderme e provocar irritações. Dentre as complicações cutâneas mais comuns, provocadas pela fibra de vidro, estão:

Miliária rubra:
À s vezes, as lesões localizadas nos folículos pilosebáceos lembram foliculite, elaioconicose popular, e algumas isoladamente, assumem aspecto furunculóide. No geral, são lesões eritemato purpúricas, predominantemente irritativas.

Granulomas de corpo estranho:
Podem ocorrer em virtude da reação celular com os fragmentos da fibra de vidro retidos na pele. A penetração de espículas provenientes da quebra ou lixamento do agente pode ocasionar paroníquias, atingindo as áreas expostas.

Dermatites irritáveis de contato (DIC):
De aspecto prurignoso, provocam o rompimento de pequenos vasos próximos às áreas dos fragmentos da fibra.

Dermatites alérgicas de contato (DCA):
Podem ocorrer durante a preparação da fibra de vidro. Há casos em que os trabalhadores se tornam mais resistentes à ação irritativa das partículas da fibra na pele. Este processo é conhecido como hardening (adaptação).