TIMBÓ – PLANTA TÓXICA


P - Para que se utiliza o timb ó ?

R - O sumo do timbó era de uso corrente entre os indígenas brasileiros, misturado à lama em lugares de pouca correnteza, para aturdir ou matar os peixes sem, no entanto, tornar sua carne tóxica para seres humanos.
Timbó é o nome que se dá a numerosas plantas, na maioria leguminosas e sapindáceas, todas ictiotóxicas em maior ou menor grau, em virtude do alcalóide timboína. A pesca com o timbó tem o inconveniente de dizimar os cardumes, pois o veneno que atordoa os peixes maiores mata os miúdos ou filhotes.
Dentre os timbós da família das leguminosas são mais conhecidas as espécies amazônicas timbó-açu (Derris negrensis), grande cipó; timbó-de-caiena (Tephyosia toxicaria), erva que cresce às margens dos rios; o timbó-macaquinho (Lonchocarpus nicou), cipó encontrado em capoeiras e cultivável; e o timbó- catinga ou timbó-venenoso (Lonchocarpus floribundus).
De espécies de timbós dos gêneros Derris e Lonchocarpus, chamados genericamente de timbós-urucus, extrai-se a rotenona, substância tóxica extremamente ativa sobre animais poiquilotermos e empregada como inseticida.
A família das sapindáceas inclui inúmeros cipós, principalmente dos gêneros Paullínia e Serjonia. A mesma família pertence também a Magonia pubescens, grande árvore do Centro Oeste e Nordeste conhecida como tingui-açu, assa-peixe, tingui e timbó-do-cerrado, cujas sementes envenenam a água ao cair.