DOSIMETRIA DE RUÍDO
DOSIMETRIA DE RUÍDO
PORTARIA N.º 3214/78 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO

O item 6, do anexo n.º 1, da NR-15 - LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE registra que:

"Se durante a jornada de trabalho ocorrerem dois ou mais períodos de exposição a ruído de diferentes níveis, devem ser considerados os seus efeitos combinados, de forma que se a soma das seguintes frações:

C1 + C2 + C3 + ..... + Cn ;

T1 T2 T3 Tn

exceder a unidade, a exposição estará acima do Limite de Tolerância.
Na equação acima Cn indica o tempo total em que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico e Tn indica a máxima exposição diária permissível a este nível, segundo o Quadro deste Anexo".

 

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE

Nível de Ruído dB(A)

Máxima exposição média permissível

85

8horas

86

7 horas

87

6 horas

88

5 horas

89

4 horas e 30 minutos

90

4 horas

91

3 horas e 30 minutos

92

3 horas

93

2 horas e 40 minutos

94

2 horas e 15 minutos

95

2 horas

96

1 hora e 45 minutos

98

1 hora e 15 minutos

100

1 hora

102

45 minutos

104

35 minutos

105

30 minutos

106

25 minutos

108

20 minutos

110

15 minutos

112

10 minutos

114

8 minutos

115

7 minutos

CICLO DE TRABALHO

Conjunto de atividades desenvolvidas pelo trabalhador em uma seqüência definida e que se repete de forma contínua no decorrer da jornada de trabalho.

PONTO DE TRABALHO

Todo e qualquer local onde o trabalhador permanece durante o desenvolvimento de seu ciclo de trabalho.

  EXEMPLO PRÁTICO

Um operador de prensa hidráulica executa suas tarefas do seguinte modo: 

 

ORDEM

TAREFA

NÍVEL DE RUÍDO dB(A)

DURAÇÃO

TEMPO MÁXIMO PERMITIDO

Montagem da Peça

87

5h
300 min

360 min

Ajuste da Peça

90

2h
120 min

240 min

Inspeção da Peça

85

1h
60 min

480 min

 

Jornada de trabalho : 8 horas (480 min)
DOSE DE RUÍDO
D = C1 + C2 + C 3
T1 T2 T3
D = 300 + 120 + 60
360 240 480
D = O,83 + 0,5 + 0,125
D = 1,45 > 1 Þ EXPOSIÇÃO ACIMA DO LIMITE DE TOLERÂNCIA
A PORTARIA N.º 3214/78, NR-15, ANEXO N.º 1, ESTABELECE QUE A EXPOSIÇÃO EM dB(A), POR 8 HORAS, CORRESPONDE A DOSE DE RUÍDO IGUAL A 1 (100%). 

NÍVEL DE PRESSÃO SONORA EQUIVALENTE (Leq)

O potencial de danos a audição de um dado ruído depende não somente de seu nível, mas também de sua duração de tempo. Uma exposição de um minuto a 100 dB(A) não é tão prejudicial quanto um exposição de 60 minutos a 90 dB(A). É possível estabelecer um valor único Leq que é o nível sonoro médio integrado durante um intervalo de tempo especificado. Os medidores de dose de ruído são aparelhos portáteis, colocados no bolso do trabalhador, que durante a jornada do trabalho registra o Leq. O nível registrado deve ser comparado com o limite permitido da portaria 3214/1978 (85 dB(A) para 8 horas de trabalho).

RELAÇÃO ENTRE Leq E D

A relação entre D e Leq (ou vice versa) referenciada na jornada de 8 horas é dada por:

Leq = 16,61 log. D + 85
                  100

 

Leq = 16,61 log. D + 85
                  100

Em nosso caso prático, temos:

D = 1,45 Þ 145%

Leq = 16,61 . log. 1,45 + 85
                           100

Leq = 16,61 . log . 1,45 + 85

Leq = 87 dB(A)

DOSIMETROS

Os dosímetros seguem basicamente a mesma especificação dos medidores de nível de pressão sonora tipo 2. São raros os que podem ser classificados como tipo 1. Um dosímetro é na verdade um decibelímetro que tem internamente outros circuitos eletrônicos funcionando como um cronômetro, calculadora e banco de dados. Assim cada nível de ruído medido tem o seu tempo de duração determinado e armazenado, para comparação com os máximos permitidos, cujos resultados vão sendo acumulados ao longo do tempo.
São processados no dosímetro centenas de amostras (níveis) de sons por segundo, através de cálculos complexos (integrais), que permitem analisar uma exposição ocupacional com altíssima precisão, imcomparavelmente melhor que qualquer medidor de nível de ruído e dependendo da sofisticação do aparelho os resultados são apresentados em formas de gráficos, médias ponderadas, projeções no tempo, etc.
Além de todas as características já vistas anteriormente devem ser observadas as seguintes particularidades, que nos melhores modelos são selecionados pelo próprio usuário, de acordo com o critério de avaliação escolhido (NR 15 - Anexo 1; ACGIH; OSHA; Fundacentro, etc):
CRITERION LEVEL OU NÍVEL BASE DO CRITÉRIO (NBC)
Refere-se ao nível de ruído que associado a uma exposição de oito horas corresponde a uma dose de 100%. A ANSI sugere as seguintes opções 90; 85; 84; 80; e V - (variável, para ser especificado pelo fabricante).
THRESHOLD LEVEL OU LIMIAR MÍNIMO DE LEITURA (LML)
É o menor da tabela de tolerância para exposição ruído. Valores inferiores ao LML não são considerados nos cálculos de dose.
Alguns novos dosímetros podem operar com dois liminares mínimos de leituras, em razão de uma resolução da OSHA, de 08/03/83, que definiu o programa de conservação auditiva baseando em um "nível de ação" de 50% da dose máxima, considerando-se níveis a partir de 80 dB(A), porém mantendo-se o PEL - Permissible Noise Exposure (Exposição Permitida ao Ruído) - de 90 dB(A) - 8 horas - 100%.
Desse modo podem ser obtidas simultaneamente doses calculadas a partir de 80 dB(A) (Liminar Mínimo Inferior de Leitura) e 85 ou 90 dB(A) (Liminar Mínimo Superior de Leitura).